Feliz de quem tiver uma PEDRA em SAGRES

Palavras-chave | Keywords

"Boca do Rio" "Ermida da Guadalupe" "Farol de São Vicente" "Fauna e Flora" "Fortaleza de Sagres" "Gentes & Paisagens" "Gentes de Vila do Bispo" "Geologia e Paleontologia" "História do Mês" "Martinhal" "Menires de Vila do Bispo" "Paisagens de Vila do Bispo" "Tales from the Past" 3D Abrigo Antiguidade Clássica Apicultura ArqueoAstronomia Arqueologia Experimental Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Arqueologia Subaquática Arquitectura arte Arte Rupestre Artefactos Baleeira Barão de São Miguel Base de Dados Bibliografia biodiversidade Budens Burgau Calcolítico Carta Arqueológica de Vila do Bispo Cartografia Cetárias Cista CIVB-Centro de Interpretação de Vila do Bispo Complexo industrial Concheiro Conservação e Restauro Descobrimentos Divulgação Educação Patrimonial EPAC Escolas & Paisagens de Vila do Bispo Espeleo-Arqueologia Estacio da Veiga Estela-menir Etnografia Exposição Figueira Filme Forte Fotografia Grutas Homem de Neandertal Idade Contemporânea Idade do Bronze Idade do Ferro Idade Média Idade Moderna Iluminados Passeios Nocturnos Ingrina Islâmico Landscape marisqueio Medieval-Cristão Megalitismo menires Mesolítico Mirense mitos & lendas Moçarabe Moinhos Museologia Navegação Necrópole Neo-Calcolítico Neolítico Neolítico Antigo NIA-VB Paleolítico Património Edificado Património natural Património partilhado Pedralva Pesca Povoado Pré-história Proto-história Raposeira Recinto Megalítico/Cromeleque Referências RMA Romano Roteiro Sagrado Sagres Salema Santos Rocha São Vicente Seascape Toponímia Vila do Bispo Villa Romana
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Remoção e transporte de menir da Praia da Ingrina para futura valorização museológica


No dia 17 de março, na sequência das intervenções do Projeto de Arranjo da Orla Costeira da Praia da Ingrina – Polis Litoral Sudoeste (Raposeira, Vila do Bispo), a Câmara Municipal de Vila do Bispo procedeu à remoção e transporte de um menir localizado na zona de estacionamento da referida praia, com o objetivo de libertar a área para conclusão dos trabalhos previstos.
A decisão foi tomada em estreita articulação entre o arqueólogo municipal, Ricardo Soares, a arqueóloga responsável pelo acompanhamento arqueológico da obra, a Dr.ª Brígida, e a respetiva entidade tutelar, a Direção Regional de Cultura do Algarve. 
Para o efeito, tomou-se em consideração o facto de o megálito já não se encontrar no seu contexto original de implantação, sendo a sua origem desconhecida, presumindo-se ser proveniente de contextos megalíticos conhecidos nas imediações, designadamente da área do Padrão; de se apresentar em bom estado de conservação, preservando na face visível numerosas decorações de tipo “fossetes” (“covinhas”); de se encontrar em posição horizontal, situação que concorre para danos de erosão corrosiva por dissolução do calcário; de não se encontrar valorizado e de existir risco de roubo no contexto atual pelas suas dimensões aparentemente reduzidas.
A operação de remoção e transporte do menir foi orientada pelo arqueólogo municipal e competentemente concretizada pelo zelo dos funcionários da Autarquia, José Carlos Mateus e José Cabrita. 
O megálito foi alvo de uma preliminar lavagem, sendo então provisoriamente armazenado em instalações municipais no sentido da sua conservação, estudo e futura valorização museológica.