Feliz de quem tiver uma PEDRA em SAGRES

Palavras-chave | Keywords

"Boca do Rio" "Ermida da Guadalupe" "Farol de São Vicente" "Fauna e Flora" "Fortaleza de Sagres" "Gentes & Paisagens" "Gentes de Vila do Bispo" "Geologia e Paleontologia" "História do Mês" "Martinhal" "Menires de Vila do Bispo" "Paisagens de Vila do Bispo" "Tales from the Past" "Vale de Boi" 3D Abrigo Antiguidade Clássica Apicultura ArqueoAstronomia Arqueologia Experimental Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Arqueologia Subaquática Arquitectura arte Arte Rupestre Artefactos Baleeira Barão de São Miguel Base de Dados Bibliografia biodiversidade Budens Burgau Calcolítico Carta Arqueológica de Vila do Bispo Cartografia Cetárias Cista CIVB-Centro de Interpretação de Vila do Bispo Complexo industrial Concheiro Conservação e Restauro Descobrimentos Divulgação Educação Patrimonial EPAC Escolas & Paisagens de Vila do Bispo Espeleo-Arqueologia Estacio da Veiga Estela-menir Etnografia Exposição Figueira Filme Forte Fotografia Geographia Grutas Homem de Neandertal Idade Contemporânea Idade do Bronze Idade do Ferro Idade Média Idade Moderna Iluminados Passeios Nocturnos Ingrina Islâmico Landscape marisqueio Medieval-Cristão Megalitismo menires Mesolítico Mirense mitos & lendas Moçarabe Moinhos Museologia Navegação Necrópole Neo-Calcolítico Neolítico Neolítico Antigo NIA-VB Paleolítico Património Edificado Património natural Património partilhado Pedralva Pesca Povoado Pré-história Proto-história Raposeira Recinto Megalítico/Cromeleque Referências RMA Romano Roteiro Sagrado Sagres Salema Santos Rocha São Vicente Seascape Toponímia Vila do Bispo Villa Romana
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

A Gruta do Monte Francês | Sagres



NEUA (1986) - Lapa do Monte Francês. Espeleo Divulgação, 5. Aveiro, Núcleo de Espeleologia da Associação de Estudantes da Universidade de Aveiro, p. 51.

Cortesia de Francisco Tátá

Programa DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes Mediterrânicas | Monumentos do Algarve | DRCA



Já no dia 18 de abril, sábado, pelas 16 horas, a Fortaleza de Sagres acolhe a iniciativa "Palato - Cozinhando na Paisagem", promovida pela Associação Cultural Rizoma Lab. Trata-se de uma acção performativa sobre sítios históricos, num formato de tipo talk show, no qual se cozinha ao vivo. 
Decorre em locais com uma paisagem em pano de fundo, abordando temáticas que colocam a gastronomia de cada época em cruzamento com hábitos alimentares, culturais e sociais da sociedade contemporânea. 
Desta feita, Sagres, na sua fortaleza, constituirá o palco histórico-paisagístico onde se desenrolará uma inédita narrativa entre dois mares, um imenso céu e um monumento de pedra e cal que evoca uma epopeia de Descobertas... venha viajar connosco e saborear este multicultural cocktail! 

Geografias a Sul e a Ingrina, por Sophia de Mello Breyner Andresen




MUNDO NOMEADO
OU DESCOBERTA DAS ILHAS

Iam de cabo em cabo nomeando 
Baías promontórios enseadas:
Encostas e praias surgiam
Como sendo chamadas

E as coisas mergulhadas no sem-nome
Da sua própria ausência regressadas
Uma por uma ao seu nome respondiam
Como sendo criadas

Sophia de Mello Breyner Andresen, 1967

Alcaria da Figueira | Budens

Nas imediações da aldeia da Figueira, cerca de 1 km a poente desta povoação, encontra-se referenciada, deste os finais do século XIX, a existência de restos de estruturas e sepulturas atribuíveis ao período romano. 
Estas referências foram confirmadas pelas prospeções realizadas no âmbito do projeto "Carta Arqueológica do Concelho de Vila do Bispo" e o sítio tem vindo a ser alvo de caracterização para o seu melhor entendimento.
Além dos vestígios de época romana, tardo-romana e medieval, designadamente restos de estruturas, abundantes materiais cerâmicos e duas sepulturas, de destacar alguns "resistentes" fragmentos de menires.

Abrigo do Zavial (ou da mós) | Raposeira


Abrigo sob pala calcária, localizado no extremo nascente da praia do Zavial e a cerca de 30 metros acima da mesma.
Trata-se de um extenso e longo abrigo, com aparente desenvolvimento cársico para cavidades interiores, colmatadas por depósitos sedimentares e pela fracturação rochosa, clastos de calcário que resultaram do desmonte erosivo e, sobretudo, do talhe de mós circulares para moinhos de vento.
A sondagem realizada em 2006, da responsabilidade do Professor Nuno Bicho da Universidade do Algarve, revelou uma estratigrafia com cerca de 1,8 m de potência. Ainda que tenham sido encontrados alguns fragmentos de conchas, bem como um núcleo de sílex provavelmente de época paleolítica, não foram assinalados outros materiais pré-históricos. O único artefacto encontrado, de época moderna, encontrava-se junto à base da sondagem, acima da rocha de base.
A referida intervenção arqueológica integrou-se num projeto de investigação da autoria de Nuno Bicho, António Faustino de Carvalho, C. Reid Ferring, John Lindley e Maria João Sá Viana Sampaio e Melo Valente, definindo, como objetivo principal, o estudo da importância dos recursos aquáticos na economia e na subsistência dos caçadores recolectores do paleolítico na região do Algarve. Pretendeu-se rever a posição tradicional sobre a diminuta importância, nesta época, de recursos como peixes, moluscos, mariscos, répteis e anfíbios, através da escavação de, pelo menos, 4 sítios marcados pela presença abundante de fauna e cobrindo cronologicamente o Paleolítico Médio, Superior e o Epipaleolítico (50000 e os 8500 anos BP), nomeadamente no abrigo de Vale de Boi (Budens, Vila do Bispo), na Gruta de Ibn ’Ammar (Estômbar, Lagoa), na Lagoa do Bordoal (Raposeira, Vila do Bispo) e no Barranco das Quebradas (Sagres, Vila do Bispo).

Futuramente, tendo em conta o elevado potencial arqueológico e espeleológico do abrigo do Zavial, é nossa intenção promover uma vigorosa intervenção multidisciplinar que, por via da parcial e objetiva desobstrução de sedimentos, alcance presumíveis níveis arqueológicos selados pelo tempo e pela rocha. 

Protocolo de cooperação entre a Câmara Municipal de Vila do Bispo e a Universidade do Algarve

O Sr. Presidente da Câmara Municipal de Vila do Bispo, Adelino Soares, e o Magnífico Reitor da Universidade do Algarve, António Branco, assinaram, no passado dia 13 de março, um protocolo de colaboração que visa a promoção de iniciativas que aprofundem a cooperação em áreas de interesse para ambas as partes, numa perspetiva de valorização recíproca, nomeadamente no domínio do estudo e preservação do Património Cultural, Histórico e Arqueológico.
No mesmo dia, Adelino Soares e Mirian Tavares, diretora da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve, assinaram um acordo específico de cooperação arqueológica, com o objetivo de investigar, preservar, valorizar e divulgar o património arqueológico do Concelho de Vila do Bispo.
A assinatura destes documentos surge na sequência de uma relação informal de longa data, entre a Câmara Municipal de Vila do Bispo e a Universidade do Algarve, que tem resultado em diversos trabalhos científicos, desenvolvidos pela referida instituição de ensino público superior no território concelhio de Vila do Bispo. 
Com o efetivo estreitamento dos laços entre as entidades, caminha-se no sentido da sistematização e de um maior alcance dos projetos de investigação promovidos.
Ao longo das duas últimas décadas, são diversos os trabalhos realizados em Vila do Bispo por investigadores (professores e alunos) da Universidade do Algarve, designadamente da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve.

Workshop 'Fotografia de Espólio Arqueológico' | Centro de Interpretação de Vila do Bispo
















No âmbito das ações de formação promovidas no seio do Grupo de Arqueologia da Rede de Museus do Algarve, foi solicitada, ao arqueólogo da Câmara Municipal de Vila do Bispo, a organização de um workshop de fotografia de espólio arqueológico.
Assim, no passado dia 06 março de 2015, o Centro de Interpretação de Vila do Bispo acolheu a iniciativa
‘Fotografia de Espólio Arqueológico: Notas, Equipamento, Experiências e Clic!’
As informações e experiências partilhadas por Ricardo Soares, arqueólogo da Câmara Municipal de Vila do Bispo, e por Frederico Tátá, arqueólogo da Direção Regional de Cultura do Algarve, foram complementadas pela colaboração do fotógrafo da Câmara Municipal de Lagos, Francisco Castelo.
Participaram 18 técnicos, oriundos de diversas câmaras municipais do Algarve, associadas à Rede de Museus do Algarve através de espaços museológicos dedicados ao património regional: 
Vila Real de Santo António, Tavira, Olhão, Loulé, Albufeira, Silves, Portimão, Monchique, Lagos e Vila do Bispo.
Em Abril, Vila do Bispo voltará a receber a visita de técnicos associados à Rede de Museus do Algarve, para um 2.º workshop de fotografia, desta feita de campo:
'Perspectivas Fotográficas de Sítios, Monumentos & Paisagens Arqueológicas'
Além da partilha de informação especializada entre técnicos da Rede de Museus do Algarve pretende-se, com estas iniciativas, aproximar as autarquias em questões relativas às boas práticas de gestão do património arqueológico, histórico, cultural e artístico.

Fotografias de Frederico Tátá, António Rodrigues & Ricardo Soares 

História do Mês de Março | 2 Estelas Funerárias na Igreja Matriz de Vila do Bispo

A 'História do Mês' consiste numa iniciativa expositiva do Centro de Interpretação de Vila do Bispo, onde mensalmente se apresenta um objeto histórico-arqueológico e um associado discurso informativo.
Além da divulgação, partilha e valorização de determinados apontamentos e curiosidades da memória coletiva do território, pretende-se, com esta iniciativa, provocar hábitos de visita ao nosso equipamento cultural.
Assim, para o mês de março de 2015, fica o convite a conhecer duas estelas funerárias à guarda da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, em Vila do Bispo.