Feliz de quem tiver uma PEDRA em SAGRES

Palavras-chave | Keywords

"Boca do Rio" "Ermida da Guadalupe" "Farol de São Vicente" "Fauna e Flora" "Fortaleza de Sagres" "Gentes & Paisagens" "Gentes de Vila do Bispo" "Geologia e Paleontologia" "História do Mês" "Martinhal" "Menires de Vila do Bispo" "Paisagens de Vila do Bispo" "Tales from the Past" "Vale de Boi" 3D Abrigo Antiguidade Clássica Apicultura ArqueoAstronomia Arqueologia Experimental Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Arqueologia Subaquática Arquitectura arte Arte Rupestre Artefactos Baleeira Barão de São Miguel Base de Dados Bibliografia biodiversidade Budens Burgau Calcolítico Carta Arqueológica de Vila do Bispo Cartografia Cetárias Cista CIVB-Centro de Interpretação de Vila do Bispo Complexo industrial Concheiro Conservação e Restauro Descobrimentos Divulgação Educação Patrimonial EPAC Escolas & Paisagens de Vila do Bispo Espeleo-Arqueologia Estacio da Veiga Estela-menir Etnografia Exposição Figueira Filme Forte Fotografia Geographia Grutas Homem de Neandertal Idade Contemporânea Idade do Bronze Idade do Ferro Idade Média Idade Moderna Iluminados Passeios Nocturnos Ingrina Islâmico Landscape marisqueio Medieval-Cristão Megalitismo menires Mesolítico Mirense mitos & lendas Moçarabe Moinhos Museologia Navegação Necrópole Neo-Calcolítico Neolítico Neolítico Antigo NIA-VB Paleolítico Património Edificado Património natural Património partilhado Pedralva Pesca Povoado Pré-história Proto-história Raposeira Recinto Megalítico/Cromeleque Referências RMA Romano Roteiro Sagrado Sagres Salema Santos Rocha São Vicente Seascape Toponímia Vila do Bispo Villa Romana
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Porto Romano com quase dois mil anos descoberto na praia da Boca do Rio, em Budens


Uma equipa luso-alemã das Universidades do Algarve e de Marburgo, em parceria e com o apoio logístico e financeiro do Município de Vila do Bispo, acabam de descobrir o porto romano em melhor estado de conservação identificado até hoje em Portugal. 
Os trabalhos arqueológicos desenvolvidos na praia da Boca do Rio, no concelho algarvio de Vila do Bispo, localizado no extremo sudoeste da Europa, integram-se no âmbito do projeto de investigação “Boca do Rio – um sítio pesqueiro entre dois mares”, coordenado pelos Professores João Pedro Bernardes, do Centro de Estudos em Artes, Arqueologia e Património (CEAACP) da Universidade do Algarve, e Félix Teichner da Universidade de Marburgo, encontrando-se sedeado no Centro de Acolhimento à Investigação – Núcleo de Investigação Arqueológica de Vila do Bispo.
Situando-se atualmente em zona seca, esta estrutura é formada por um imponente cais em silharia de calcário com mais de 40 metros de extensão, de onde sobressaem pedras perfuradas para amarração de barcos, uma rampa e uma escadaria de acesso à água do antigo paleoestuário da Boca do Rio.
Durante o Período Romano o mar entrava terra dentro, formando uma extensa laguna, o atual Paul da Boca do Rio/Lontreira, em cuja margem direita se desenvolveu um importante complexo de transformação de preparados de peixe, sobretudo a partir de finais do século II d.C., servido pelo porto agora descoberto.
Todo este complexo industrial e respetivo porto faziam parte de uma villa marítima em investigação desde 2016, com uma grande casa voltada ao mar de onde se tem recolhido diversos mosaicos, estuques pintados e muitos outros objetos que documentam a vida quotidiana e as atividades destes nossos longínquos antepassados.
O sítio pesqueiro romano foi abandonado na primeira metade do século V, voltando a ser ocupado com uma armação de pesca do atum no século XVI e, de novo, após o tsunami de 1755, no século XVIII. Estas armações da época moderna (re)aproveitaram as estruturas romanas fundadas nas dunas para aí edificar os seus edifícios que ainda hoje se podem ver no local.
O sítio da Boca do Rio, conhecido internacionalmente por ser um dos locais que melhor preserva o registo do tsunami que se seguiu ao terramoto de 1755, que arrasou Lisboa, Cádis (em Espanha) e boa parte da costa algarvia, reserva, também, um enorme interesse arqueológico. Para além da recém identificada estrutura portuária, existem, sob as dunas, várias fábricas que serviram para a produção de molhos e pastas de peixe, o famoso garum dos Romanos, apresentando, tal como o porto, um estado de conservação verdadeiramente excecional à escala do antigo Império Romano.



10 km de Património com o Grupo de Caminheiros da Casa do Povo do Freixo

No passado dia 8 de setembro as paisagens que se desenrolam entre a Vila do Bispo e a Vila de Sagres acolheram a visita de um enérgico grupo de Caminheiros da Casa do Povo do Freixo, uma aldeia do Concelho do Redondo, no Alentejo. 
A amizade do João Inverno, organizador do périplo ao extremo sudoeste algarvio, proporcionou, a este grupo de amigos, um passeio pedestre interpretativo entre o megalitismo menírico de Vila do Bispo, a Reserva Biogenética do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina e as arrebatadoras paisagens geológicas e arqueológicas do Martinhal. 
Ao longo de um percurso linear de cerca de 10 km, guiado pelo arqueólogo local, os participantes tiveram a oportunidade de contactar com um diversificado complexo paisagístico, de ordem natural e cultural, de inegável beleza e pleno de singularidades. 
No Monte Peniche, bem ao jeito alentejano, a antiga eira da Casa Mestre serviu de mesa posta para uma farta merenda... um dia bem passado com tempo para mergulhos, moreia frita e novas amizades!

História do Mês n.º 45 - a Gralha de Bico Vermelho, ícone da Biodiversidade do Promontório Sagrado

Inaugurada em janeiro de 2015, a ‘História do Mês’ consiste numa iniciativa expositiva do Centro de Interpretação de Vila do Bispo, com a qual se apresenta, mensalmente, um objeto e/ou um associado discurso informativo. Além da investigação, valorização, divulgação e partilha sociocultural de determinados apontamentos e curiosidades da memória coletiva do território, pretende-se, com esta iniciativa, provocar hábitos de visita aos nossos equipamentos culturais.

Na antevisão da 9.ª edição do Festival de Observação de Aves & Atividades de Natureza, que terá lugar em Sagres, entre os dias 4 e 7 do próximo mês de outubro, a História do Mês de Setembro, no seu N.º 45, é dedicada, precisamente, a uma das mais icónicas aves que frequentam a região de Sagres, a nossa ilustre Gralha-de-bico-vermelho. Tratando-se de uma ave já muito rara no nosso País, a região de Sagres tem vindo a revelar-se como um excepcional bastião de resistência desta espécie. Consciente desta dramática realidade, o Município de Vila do Bispo elevou esta carismática ave ao estatuto de Mascote do Concelho, passando a assumir o inédito papel de competente Guia Oficial no acolhimento de viajantes e de turistas que visitam o território do grande Cabo Sagrado... saiba como e fique a conhecer um pouco mais sobre a Gralha-de-bico-vermelho!

História do Mês n.º 44 - o Promontorium Sacrum, vertiginosa atração da Finisterra


Inaugurada em janeiro de 2015, a ‘História do Mês’ consiste numa iniciativa expositiva do Centro de Interpretação de Vila do Bispo, com a qual se apresenta, mensalmente, um objeto e/ou um associado discurso informativo. Além da investigação, valorização, divulgação e partilha sociocultural de determinados apontamentos e curiosidades da memória coletiva do território, pretende-se, com esta iniciativa, provocar hábitos de visita aos nossos equipamentos culturais.

Atendendo à sua situação geograficamente extrema e periférica, na finisterra mediterrânica, na ponta mais sudoeste da Península Ibérica e do próprio Continente Europeu, a região de Sagres (Vila do Bispo) surge vulgarmente conotada como um “Fim-do-Mundo”. A História do Mês N.º 44 é dedicada precisamente à desconstrução deste redutor mito, um preconceito que se encontra longe de corresponder à justa realidade!

PROMONTORIUM SACRUM: vertiginosa atração da FINISTERRA

Artigo "O PROMONTORIUM SACRUM: INTEMPORAL SANTUÁRIO NATURAL, PETRIFICADA PAISAGEM SAGRADA, VERTIGINOSA ATRAÇÃO DA FINISTERRA", de Ricardo Soares, in GARANTA - REVISTA DE LETRAS, ARTES E CULTURA, N.º 1.

Apresentação da REVISTA GARANTA, uma tarde dedicada a SAGRES


A propósito da apresentação, no Concelho de Vila do Bispo, do N.º 1 da “GARANTA - REVISTA DE LETRAS, ARTES E CULTURA”, a tarde do passado dia 21 de julho foi dedicada a Sagres e aos mais antigos testemunhos da sua longínqua História.
O encontro em torno deste novo projeto editorial algarvio, de promoção e divulgação cultural e artística, teve início na Ponta de Sagres, junto à sua Fortaleza, área que acolheu um percurso arqueológico, um "PASSEIO INTERPRETATIVO NA ANTIGA GEOGRAPHIA DO TOPÓNIMO SAGRES".
Mais tarde, os participantes dirigiram-se ao Centro de Interpretação de Vila do Bispo para a apresentação da REVISTA GARANTA, conduzida pelos colaboradores Paulo Correia e Fernanda Navarro, seguindo-se uma comunicação intitulada "O PROMONTORIUM SACRUM: INTEMPORAL SANTUÁRIO NATURAL, PETRIFICADA PAISAGEM SAGRADA, VERTIGINOSA ATRAÇÃO DA FINISTERRA", do arqueólogo municipal, Ricardo Soares.
Entre os 17 participantes na iniciativa de âmbito cultural, de destacar a presença do Clube do Livro de Vila do Bispo e da Senhora Vereadora Rute Silva.