Feliz de quem tiver uma PEDRA em SAGRES

Palavras-chave | Keywords

"Boca do Rio" "Ermida da Guadalupe" "Farol de São Vicente" "Fauna e Flora" "Fortaleza de Sagres" "Gentes & Paisagens" "Gentes de Vila do Bispo" "Geologia e Paleontologia" "História do Mês" "Martinhal" "Menires de Vila do Bispo" "Paisagens de Vila do Bispo" "Tales from the Past" 3D Abrigo Antiguidade Clássica Apicultura ArqueoAstronomia Arqueologia Experimental Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Arqueologia Subaquática Arquitectura arte Arte Rupestre Artefactos Baleeira Barão de São Miguel Base de Dados Bibliografia biodiversidade Budens Burgau Calcolítico Carta Arqueológica de Vila do Bispo Cartografia Cetárias Cista CIVB-Centro de Interpretação de Vila do Bispo Complexo industrial Concheiro Conservação e Restauro Descobrimentos Divulgação Educação Patrimonial EPAC Escolas & Paisagens de Vila do Bispo Espeleo-Arqueologia Estacio da Veiga Estela-menir Etnografia Exposição Figueira Filme Forte Fotografia Grutas Homem de Neandertal Idade Contemporânea Idade do Bronze Idade do Ferro Idade Média Idade Moderna Iluminados Passeios Nocturnos Ingrina Islâmico Landscape marisqueio Medieval-Cristão Megalitismo menires Mesolítico Mirense mitos & lendas Moçarabe Moinhos Museologia Navegação Necrópole Neo-Calcolítico Neolítico Neolítico Antigo NIA-VB Paleolítico Património Edificado Património natural Património partilhado Pedralva Pesca Povoado Pré-história Proto-história Raposeira Recinto Megalítico/Cromeleque Referências RMA Romano Roteiro Sagrado Sagres Salema Santos Rocha São Vicente Seascape Toponímia Vila do Bispo Villa Romana
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Colmeias cerâmicas de época romana do Martinhal | Sagres

Entre as tipologias cerâmicas produzidas no centro oleiro do Martinhal, as colmeias de barro são as mais peculiares. Estão em causa peças de morfologia tubular, com cerca de 20 cm de diâmetro e 40 cm de altura, abertas nas extremidades, rematadas com diferentes tipos de bordos. Presumivelmente, as extremidades seriam tapadas com tampas de cortiça, de madeira, de argila ou de outros materiais como o esparto, necessariamente com perfurações adequadas à entrada e saída das abelhas. As superfícies interiores apresentam-se estriadas ou irregulares, para facilitar a aderência dos favos de mel.
Em fase de estudo, estas nossas colmeias romanas do Martinhal encontram-se publicadas no artigo científico – Colmeias e outras produções de cerâmica comum do Martinhal (Sagres) – da autoria dos investigadores João Pedro Bernardes (Universidade do Algarve), Inês Vaz Pinto (Centro de Estudos de Arqueologia, Artes e Ciências do Património - Universidade de Coimbra), Jorge Guerschman (Universidade do Algarve) e Rui Morais (Universidade do Porto).