Feliz de quem tiver uma PEDRA em SAGRES
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Projecto ProPEA | Vila do Bispo


«As características geomorfológicas de extensas áreas do Algarve revelam-se favoráveis à presença de formações cársicas, incluindo as cavidades naturais calcárias, de que se conhecem vários exemplos numa ampla faixa geográfica que se estende do extremo Barlavento ao Sotavento, englobando parte significativa destes territórios. A importância de conhecer as grutas do Algarve tem sido reiteradamente propalada por diferentes investigadores desde há mais de um século, sendo o interesse destas reconhecido em diferentes matérias do conhecimento, sobretudo a Geologia, Arqueologia, Paleontologia e Biologia. Apesar deste facto e da actuação no Algarve de diversas entidades relacionadas com a actividade espeleológica, poucos são os trabalhos publicados subordinados à pesquisa do meio subterrâneo natural no Algarve, permanecendo este, em boa parte, escassamente conhecido. Tal situação conduz a uma vulnerabilidade acrescida do referido património em face da pressão humana, atendendo a que, por desconhecimento, poderão muitas destas cavidades naturais ser afectadas ou mesmo obliteradas, principalmente pela construção ou em consequência da laboração de pedreiras, ou ainda, simplesmente por entulhamento ou utilização como vazadouro de detritos, situações que ocorreram no Algarve e que têm conduzido a graves problemas ambientais em diversas regiões calcárias.

O registo e a exploração das cavidades do Algarve irá seguramente fornecer um contributo fundamental para a interpretação dos respectivos sistemas cársicos e existem fortes probabilidades de se proporcionarem descobertas significativas ao nível da arqueologia assim como no âmbito de outras ciências. Neste enquadramento, o trabalho preconizado no projecto ProPEA consiste fundamentalmente na identificação e inventariação das cavidades calcárias existentes no Algarve e avaliação preliminar do respectivo potencial num quadro pluridisciplinar, considerando quer o património cultural, quer o natural. Para o efeito procurar-se-á estabelecer uma franca articulação de colaborações entre diferentes entidades, nomeadamente a Direão Regional de Cultura do Algarve, Universidade do Algarve, autarquias, associações de espeleologia, e outras cujos contributos para o projecto venham a assumir relevância.»