Feliz de quem tiver uma PEDRA em SAGRES

Palavras-chave | Keywords

"Boca do Rio" "Cabranosa" "Cerro do Camacho" "Concheiro do Castelejo" "Ermida da Guadalupe" "Farol de São Vicente" "Fauna e Flora" "Fortaleza de Sagres" "Forte de Almádena" "Forte de Beliche" "Gentes & Paisagens" "Geologia e Paleontologia" "História do Mês" "Martinhal" "Menir da Lomba da Góia" "Menir de Arneiros" "Menir de Aspradantas" "Menir de Bem Parece" "Menires de Milrei" "Menires de Santo António" "Menires de Vila do Bispo" "Menires do Monte dos Amantes" "Menires do Padrão" "Paisagens de Vila do Bispo" "Pedra Escorregadia" "Tales from the Past" "Vale de Boi" "Vale de Gato de Cima" 3D Abrigo Antiguidade Clássica Apicultura ArqueoAstronomia Arqueologia Experimental Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Arqueologia Subaquática Arquitectura arte Arte Rupestre Artefactos Baleeira Bibliografia biodiversidade Budens Calcolítico Carta Arqueológica de Vila do Bispo Cartografia Cetárias Cista CIVB-Centro de Interpretação de Vila do Bispo Complexo industrial Concheiro Conservação e Restauro Descobrimentos Divulgação Educação Patrimonial EPAC Escolas & Paisagens de Vila do Bispo Espeleo-Arqueologia Estacio da Veiga Estela-menir Etnografia Exposição Farol Figueira Filme Forte Grutas Homem de Neandertal Idade Contemporânea Idade do Bronze Idade do Ferro Idade Média Idade Moderna Iluminados Passeios Nocturnos Ingrina Islâmico Landscape marisqueio Medieval-Cristão Megalitismo menires Mesolítico Mirense mitos & lendas Moçarabe Moinhos Museologia Navegação Necrópole Neo-Calcolítico Neolítico Neolítico Antigo Paleolítico Património Edificado Património natural Património partilhado Pedralva Pesca Povoado Pré-história Proto-história Raposeira Recinto Megalítico/Cromeleque RMA Romano Roteiro Sagrado Sagres Salema São Vicente Seascape Toponímia Vila do Bispo Villa Romana
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Projecto ProPEA | Vila do Bispo


«As características geomorfológicas de extensas áreas do Algarve revelam-se favoráveis à presença de formações cársicas, incluindo as cavidades naturais calcárias, de que se conhecem vários exemplos numa ampla faixa geográfica que se estende do extremo Barlavento ao Sotavento, englobando parte significativa destes territórios. A importância de conhecer as grutas do Algarve tem sido reiteradamente propalada por diferentes investigadores desde há mais de um século, sendo o interesse destas reconhecido em diferentes matérias do conhecimento, sobretudo a Geologia, Arqueologia, Paleontologia e Biologia. Apesar deste facto e da actuação no Algarve de diversas entidades relacionadas com a actividade espeleológica, poucos são os trabalhos publicados subordinados à pesquisa do meio subterrâneo natural no Algarve, permanecendo este, em boa parte, escassamente conhecido. Tal situação conduz a uma vulnerabilidade acrescida do referido património em face da pressão humana, atendendo a que, por desconhecimento, poderão muitas destas cavidades naturais ser afectadas ou mesmo obliteradas, principalmente pela construção ou em consequência da laboração de pedreiras, ou ainda, simplesmente por entulhamento ou utilização como vazadouro de detritos, situações que ocorreram no Algarve e que têm conduzido a graves problemas ambientais em diversas regiões calcárias.

O registo e a exploração das cavidades do Algarve irá seguramente fornecer um contributo fundamental para a interpretação dos respectivos sistemas cársicos e existem fortes probabilidades de se proporcionarem descobertas significativas ao nível da arqueologia assim como no âmbito de outras ciências. Neste enquadramento, o trabalho preconizado no projecto ProPEA consiste fundamentalmente na identificação e inventariação das cavidades calcárias existentes no Algarve e avaliação preliminar do respectivo potencial num quadro pluridisciplinar, considerando quer o património cultural, quer o natural. Para o efeito procurar-se-á estabelecer uma franca articulação de colaborações entre diferentes entidades, nomeadamente a Direão Regional de Cultura do Algarve, Universidade do Algarve, autarquias, associações de espeleologia, e outras cujos contributos para o projecto venham a assumir relevância.»