Feliz de quem tiver uma PEDRA em SAGRES

Palavras-chave | Keywords

"Boca do Rio" "Ermida da Guadalupe" "Farol de São Vicente" "Fauna e Flora" "Fortaleza de Sagres" "Gentes & Paisagens" "Gentes de Vila do Bispo" "Geologia e Paleontologia" "História do Mês" "Martinhal" "Menires de Vila do Bispo" "Paisagens de Vila do Bispo" "Tales from the Past" "Vale de Boi" 3D Abrigo Antiguidade Clássica Apicultura ArqueoAstronomia Arqueologia Experimental Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Arqueologia Subaquática Arquitectura arte Arte Rupestre Artefactos Baleeira Barão de São Miguel Base de Dados Bibliografia biodiversidade Budens Burgau Calcolítico Carta Arqueológica de Vila do Bispo Cartografia Cetárias Cista CIVB-Centro de Interpretação de Vila do Bispo Complexo industrial Concheiro Conservação e Restauro Descobrimentos Divulgação Educação Patrimonial EPAC Escolas & Paisagens de Vila do Bispo Espeleo-Arqueologia Estacio da Veiga Estela-menir Etnografia Exposição Figueira Filme Forte Fotografia Geographia Grutas Homem de Neandertal Idade Contemporânea Idade do Bronze Idade do Ferro Idade Média Idade Moderna Iluminados Passeios Nocturnos Ingrina Islâmico Landscape marisqueio Medieval-Cristão Megalitismo menires Mesolítico Mirense mitos & lendas Moçarabe Moinhos Museologia Navegação Necrópole Neo-Calcolítico Neolítico Neolítico Antigo NIA-VB Paleolítico Património Edificado Património natural Património partilhado Pedralva Pesca Povoado Pré-história Proto-história Raposeira Recinto Megalítico/Cromeleque Referências RMA Romano Roteiro Sagrado Sagres Salema Santos Rocha São Vicente Seascape Toponímia Vila do Bispo Villa Romana
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Olhar de Artur Pastor sobre Sagres, Salema e Burgau


artigo de Vasco Rosa 
in Observador 09.07.2017

Artur Pastor em Albufeira 
década de 70































Treze anos depois de ter sido adquirido pelo Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa, o espólio de Artur Pastor (1922-99) foi exibido com tal surpresa e sucesso, em 2014, na galeria da Rua da Palma e no Pavilhão Preto do Museu da Cidade, que a sua itinerância pelo país viria a ser solicitada, como nenhuma outra na história daquela importante instituição patrimonial. Quem o diz é Luís Pavão, conservador do arquivo, que também considera que «este gigante da fotografia portuguesa» foi ostracizado pela historiografia da arte, que praticamente o eclipsou do nosso panorama fotográfico das décadas de 1950-60 em que se destacavam Augusto Cabrita, Eduardo Gagueiro, António Sena da Silva, Carlos Afonso Dias, Gérard Castello-Lopes, Victor Palla, António Costa Martins, Fernando Lemos e outros.
E, no entanto, este discreto regente agrícola nascido em Alter do Chão e crescido em Évora, que imperativos de serviço do Ministério da Agricultura transferiram por algum tempo para Montalegre e o serviço militar deslocara para Tavira, tinha em meados dos anos 50 um trabalho tão reconhecido que a Câmara Municipal da Nazaré o preferiu para encomendar um álbum de fotografias originais que pudesse ser oferecido à rainha Isabel II de Inglaterra aquando da sua visita a Portugal em fevereiro de 1957. Publicações prestigiadas como a Times (1962) acolheram a sua colaboração, e fotografias de Pastor foram incluídas nos relevantes Mulheres do Meu País de Maria Lamas (1948-50), Arquitectura Popular em Portugal (1961) e Évora. Encontro com a cidade património da humanidade de Túlio Espanca (1988), além de Portugal Romântico de Frederic Marjay (1955).
O fotógrafo construiu uma extensa obra que serviu de base à fototeca ministerial, com mais de 10.000 imagens documentando todo o tipo de trabalhos, espécimenes e cenas agrícolas, ou equipamentos técnicos do Estado, mas a orla marítima foi sem dúvida — a par do Algarve — o principal motivo do seu trabalho não forçosamente profissional: em 1943, com 21 anos apenas e uniforme militar, registou intensamente o espetáculo singular do copejo do atum ao largo de Tavira e outros aspetos da vida piscatória no Sotavento algarvio; em 1946, expôs Motivos do Sul em Faro, Évora e Setúbal, quase quinhentas fotografias, entre as quais já um assinalável portefólio dedicado à pesca em Sesimbra; em outubro de 1949 fotografias suas de Sesimbra e em agosto do ano seguinte de Albufeira encheram as vitrinas da Casa Alvarez, na Rua Augusta, em Lisboa; em 1958 publicou Nazaré, um álbum dedicado a um motivo que já havia captado o interesse de muitos fotógrafos (de Stanley Kubrick a João Martins e Horácio Novaes); em 1965, por ocasião da abertura do aeroporto de Faro, editou Algarve, um documentário visual com quase 500 fotografias que é também uma monografia regional exaustiva, com textos seus, numa edição bilingue. Amendoeiras em flor (Tavira, 1957-64), já a cor, serve de matriz ao tipo de registo que também seria divulgado em cartões-postais e caixas de fósforos.
Certo reconhecimento vem em finais de 1970, quando uma grande retrospetiva do seu trabalho se apresenta no Palácio Foz, sede do SNI: 320 imagens a preto e branco e 40 a cor, impressas por António Paixão, um técnico dos laboratórios Filmarte muito reputado entre fotógrafos dados ao salonismo expositivo. Em 1983, uma grande mostra sobre Lisboa ocupa os espaços nobres do Palácio Galveias. A participação em salões fotográficos, no país e no estrangeiro, confere vários primeiros prémios a Artur Pastor, e a experiência de maquetagem editorial para edições do Ministério da Agricultura vai habilitá-lo ainda mais para o desenho de uma dezena de álbuns temáticos prontos a imprimir, mas que ficaram em gavetas.


Textos de Artur Pastor in “Algarve”, edição de 1965:

“O mar já não é mar, mas apenas alvoroço branco e sanguíneo, 
em constante agitação. 
A gritaria aumenta. 
Chocam-se, confundem-se os brados de vitória”.

“Os peixes debatem-se e morrem. 
O campo verde de batalha não é agora mais que que líquido viscoso. 
Alucina e entristece. 
O homem, somente um animal que fere, que golpeja, sem misericórdia. 
Dir-se-ia assistirmos a um massacre ruidoso e fantástico de épocas primitivas.”

“Os pescadores estão encharcados, completamente debruçados em desequilíbrio,
tal o desejo de embicharem os peixes que lhes passam próximos, diligenciando,
mercê do esforço coletivo de dois ou três homens,
aproveitarem a sapatada que o atum dá quando se sente preso e trazem-no para bordo.”

“Pesadas gotas de suor, que descem pelas faces bestializadas dos pescadores,
atestam o imenso esforço.”

“Nadando ou arrastando-se, com água pela cintura,
firmam-se no dorso escorregante dos atuns fugidos, lembrando deuses marinhos.
Ou agarram-nos de lado, como se tratasse de garraios irrequietos e ousados.
Uns caem, outros riem.
Um odor de carnificina principia enjoar.”

“O sol rebrilha e turva o entendimento.
A paisagem marítima parece-nos violenta, nervosa, quase frenética.”

Registos fotográficos de Artur Pastor 
no Concelho de Vila do Bispo, décadas de 50/60
Álbum “Algarve”, edição de 1965: 

Sagres
Salema

Burgau
Burgau
Burgau