Feliz de quem tiver uma PEDRA em SAGRES

Palavras-chave | Keywords

"Boca do Rio" "Cabranosa" "Cerro do Camacho" "Concheiro do Castelejo" "Ermida da Guadalupe" "Farol de São Vicente" "Fauna e Flora" "Fortaleza de Sagres" "Forte de Almádena" "Forte de Beliche" "Gentes & Paisagens" "Geologia e Paleontologia" "História do Mês" "Martinhal" "Menir da Lomba da Góia" "Menir de Arneiros" "Menir de Aspradantas" "Menir de Bem Parece" "Menires de Milrei" "Menires de Santo António" "Menires de Vila do Bispo" "Menires do Monte dos Amantes" "Menires do Padrão" "Paisagens de Vila do Bispo" "Pedra Escorregadia" "Tales from the Past" "Vale de Boi" "Vale de Gato de Cima" 3D Abrigo Antiguidade Clássica Apicultura ArqueoAstronomia Arqueologia Experimental Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Arqueologia Subaquática Arquitectura arte Arte Rupestre Artefactos Baleeira Bibliografia biodiversidade Budens Calcolítico Carta Arqueológica de Vila do Bispo Cartografia Cetárias Cista CIVB-Centro de Interpretação de Vila do Bispo Complexo industrial Concheiro Conservação e Restauro Descobrimentos Divulgação Educação Patrimonial EPAC Escolas & Paisagens de Vila do Bispo Espeleo-Arqueologia Estacio da Veiga Estela-menir Etnografia Exposição Farol Figueira Filme Forte Grutas Homem de Neandertal Idade Contemporânea Idade do Bronze Idade do Ferro Idade Média Idade Moderna Iluminados Passeios Nocturnos Ingrina Islâmico Landscape marisqueio Medieval-Cristão Megalitismo menires Mesolítico Mirense mitos & lendas Moçarabe Moinhos Museologia Navegação Necrópole Neo-Calcolítico Neolítico Neolítico Antigo Paleolítico Património Edificado Património natural Património partilhado Pedralva Pesca Povoado Pré-história Proto-história Raposeira Recinto Megalítico/Cromeleque RMA Romano Roteiro Sagrado Sagres Salema São Vicente Seascape Toponímia Vila do Bispo Villa Romana
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

A "Fortuna Alada" da Boca do Rio | Budens


























Denominação: Estatueta de Fortuna Alada

Proveniência: Boca do Rio / Budens / Vila do Bispo

Localização actual: Museu Nacional de Arqueologia (Mosteiro dos Jerónimos, Lisboa)

Datação: séculos I d.C. - II d.C. (Época Romana)

Matéria: Bronze

Técnica: Fundição

Dimensões: altura - 8,7 cm; largura - 3,4 cm; espessura - 2,0 cm

Descrição:
Deusa Fortuna representada através de um figura jovem, feminina, nua e alada. A parte superior do corpo, desde o terço superior das pernas, emerge de um cálice ou, mais provavelmente, de um ramo de folhas de acanto. Cabeça direita, olhando de frente, coroada por um pequeno diadema. O penteado oculta as orelhas e é apanhado na nuca, para cair em jeito de trança pelo dorso abaixo. O rosto encontra-se um pouco gasto, dissimulando a nitidez dos detalhes faciais. O torso evidencia algumas particularidades anatómicas, das quais se destacam os seios, o umbigo, e acusada prega inguinal. O braço direito pende ao longo do corpo e a respectiva mão envolve o colo de um jarro ou oinochoe; o braço esquerdo flectido, pelo cotovelo, eleva o antebraço de modo que a mão possa amparar o açafate, ou calathus, com seis pequenos esferóides simbolizando frutos, apoiado no ombro do mesmo lado. Na parte superior do dorso permanece inteira e entreaberta a asa esquerda e vestígios da outra. A parte inferior do cálice é escavada, formando uma calote cónica, adaptável a qualquer peça, pressupondo ter sido utilizada como aplicação. A pequena estatueta poderia representar uma imagem de abundância que seria venerada num lararium.

Origem / Historial:
Proveniente do sítio arqueológico da Boca do Rio (Budens / Vila do Bispo), esta estatueta foi pela primeira vez referenciada por Sebastião Philippes Martins Estacio da Veiga, a partir dos seus trabalhos para a Carta Acheologica do Algarve (1877-1878). Neste caso concreto, a publicação em causa é póstuma ao desaparecimento, em 1891, deste ilustre pioneiro da arqueologia portuguesa, particularmente algarvia. Após ter publicado os 4 volumes das suas Antiguidades Monumentaes do Algarve - tempos prehistoricos (VEIGA, 1886; 1887; 1889; 1891), o tripartido Volume V das Antiguidades Monumentaes (VEIGA, 1904; 1905; 1910), desta feita acerca dos tempos historicos, será publicado, por iniciativa de José Leite de Vasconcelos, nas páginas de O Archeologo Português (VEIGA, 1910). Ainda incompleto, este Volume V terá sido enviado pelo próprio Estacio da Veiga para a Direcção Geral da Instrução Pública, sendo posteriormente resgatado pelo director do então designado Museu Etnográfico Português e editor da referida revista.
Importa referir que Estacio da Veiga escavou na Boca do Rio em 1878, legando-nos um exemplar levantamento em planta (que inclui a representação desta nossa estatueta) e minuciosos desenhos de alguns dos mosaicos exumados.

Segue-se a transcrição da notícia de descobrimento desta estatueta e a sua exemplar descrição, segundo a perspectiva do próprio Estacio da Veiga:

«R Figura symbolica de bronze, parecendo estar de pé dentro de uma cesta (sic) ornada no bordo. Mostra-se nua desde o terço superior das pernas até a cabeça, em que os cabellos, graciosamente repartidos ao meio e seguros por um diadema, lhe guarnecem a fronte em marrafas onduladas e vão reunir-se estendidos pelas costas.
Sobre o hombro esquerdo segura com a mão um vaso colmado de frutos, e com a mão direita, estendido o braço junto ao corpo, um vaso de fundo estreito, cuja boca tapa e esconde com o dedo pollegar. Do lado esquerdo do hombro pende-lhe uma asa entreaberta e no direito nota-se o sinal de faltar a outra. Na parte inferior da cesta ha um espaço ôco, que parece ter servido para sobre um pedestal ser encimada a pequena estatua (pouco maior que o desenho), que poderia representar um signum, ou a imagem da abundancia, para ser venerada ou implorada como protectora da riqueza. Achou-se esta bem modelada figura de bronze nas ruinas dos edificios romanos da Boca do Rio, ou praia de Budens, e me foi mui graciosamente offerecida pelo antigo e benemerito redactor da Gazeta do Algarve, Dr. Augusto Feio Soares de Azevedo. Tenho-a no museu do Algarve.»



VEIGA, E. da (1910) – Antiguidades Monumentaes do Algarve. Cap. V. Tempos Históricos. O Archeologo Português, Vol. XV, Lisboa: Museu Ethnographico Português, p. 214-215.

Regime de Protecção:
Classificação de Interesse Nacional por necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas.

Ficha de Inventário MatrizNet