Feliz de quem tiver uma PEDRA em SAGRES

Palavras-chave | Keywords

"Boca do Rio" "Cabranosa" "Cerro do Camacho" "Concheiro do Castelejo" "Ermida da Guadalupe" "Farol de São Vicente" "Fauna e Flora" "Fortaleza de Sagres" "Forte de Almádena" "Forte de Beliche" "Gentes & Paisagens" "Geologia e Paleontologia" "História do Mês" "Martinhal" "Menir da Lomba da Góia" "Menir de Arneiros" "Menir de Aspradantas" "Menir de Bem Parece" "Menires de Milrei" "Menires de Santo António" "Menires de Vila do Bispo" "Menires do Monte dos Amantes" "Menires do Padrão" "Paisagens de Vila do Bispo" "Pedra Escorregadia" "Tales from the Past" "Vale de Boi" "Vale de Gato de Cima" 3D Abrigo Antiguidade Clássica Apicultura ArqueoAstronomia Arqueologia Experimental Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Arqueologia Subaquática Arquitectura arte Arte Rupestre Artefactos Baleeira Bibliografia biodiversidade Budens Calcolítico Carta Arqueológica de Vila do Bispo Cartografia Cetárias Cista CIVB-Centro de Interpretação de Vila do Bispo Complexo industrial Concheiro Conservação e Restauro Descobrimentos Divulgação Educação Patrimonial EPAC Escolas & Paisagens de Vila do Bispo Espeleo-Arqueologia Estacio da Veiga Estela-menir Etnografia Exposição Farol Figueira Filme Forte Grutas Homem de Neandertal Idade Contemporânea Idade do Bronze Idade do Ferro Idade Média Idade Moderna Iluminados Passeios Nocturnos Ingrina Islâmico Landscape marisqueio Medieval-Cristão Megalitismo menires Mesolítico Mirense mitos & lendas Moçarabe Moinhos Museologia Navegação Necrópole Neo-Calcolítico Neolítico Neolítico Antigo Paleolítico Património Edificado Património natural Património partilhado Pedralva Pesca Povoado Pré-história Proto-história Raposeira Recinto Megalítico/Cromeleque RMA Romano Roteiro Sagrado Sagres Salema São Vicente Seascape Toponímia Vila do Bispo Villa Romana
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

A necrópole da Idade do Bronze e a Estela da Figueira | Budens

Num pequeno cerro, 1 km a sul da actual povoação de Figueira (Budens), encontra-se uma necrópole de cistas datada dos finais da Idade do Bronze (séculos X-IX a.C.). 
Associada aos sepulcros, consta ter sido assinalada uma estela, talhada em arenito vermelho (conhecido regionalmente por 'grés de Silves' e localmente por 'pedra farinheira') e gravada com decorações que representam um personagem antropomórfico: um guerreiro, um escudo circular, com escotadura em "V", e uma ponta de lança (ver imagens abaixo obtidas com o recurso a iluminação dirigida). 
A Estela da Figueira (e o seu 'Homo figueirensis') encontra-se actualmente integrada no acervo do Museu Municipal de Lagos Dr. José Formosinho.


Na área envolvente à necrópole de cistas, ainda se  podem observar alguns fragmentos de menires, bem como outros indícios de presença humana de época romana e medieval.


A Estela da Figueira
actualmente integrada no acervo do 
Museu Municipal de Lagos Dr. José Formosinho

Estela da Figueira
(seg. Gomes e Silva, 1987)
Estela de Ategua/Córdoba, in Museo Arqueológico de Córdoba
(Fotografia de R. Soares)

«Relativamente às estelas decoradas do Sudoeste Peninsular, também conhecidas por de Guerreiro, de Tipo Extremeño ou de Tipo II, estas têm vindo a revelar-se como um excelente “fóssil director” para a progressão temporal e espacial dos já referidos impulsos culturais, para a consequente dinâmica de transformações histórico-culturais e para a compreensão do fenómeno de complexificação social ocorrido ao longo da Idade do Bronze. Por outro lado, tendo em conta a natureza dos objectos gravados nas estelas, alguns de consensual origem oriental, estas têm constituído um recorrente argumento na defesa de teses acerca da “pré-colonização” (Arruda, 2008, p. 365). Estes monumentos têm vindo a ser datados de uma fase avançada do Bronze Final – “entre os séculos X e IX a.C. ou mesmo IX-VIII a.C.” (ob. cit., 366).
Constituindo verdadeiros “mitos de sobrevivência” (Edgar Morin), numa tendente personificação iconográfica do poder, parecem integrar “a morte dos grandes personagens, de forma a permitir que a cultura e a organização social se reproduzissem no seio da memória colectiva” (Gomes, 1992, p. 117), numa “dinástica” estratégia de manutenção e continuidade da sua influência nas comunidades que lideravam, no “que julgamos ter sido o suporte social e administrativo do Sudoeste Peninsular durante a Idade do Bronze Final” (ob. cit., p. 117). “Associar ao defunto armas reais, produzidas em metal, ou gravar na tampa da sepultura [ou estela] a respectiva figuração não nos parece essencialmente diferente, do ponto de vista da simbólica do poder” (Senna-Martinez, 2007, p. 126).
Trata-se, portanto, de um grupo de monumentos que demarcaria as sepulturas de um privilegiado e limitado número de indivíduos com atributos de chefia – “grandes personagens e guerreiros prestigiados, em alguns casos verdadeiros ‘heróis civilizadores’, capazes de manter a organização social, imposta pela metalurgia e comércio dos metais e o progresso em geral” (Gomes, 1992, p. 115); “exibem a posição social privilegiada de alguns indivíduos ou a existência de rituais de antepassados (‘ancestor rituals’) conotados com heróis-fundadores” (Parreira, 1998, p. 270). Recorde-se que a Idade do Bronze foi também o palco dos homéricos “heróis civilizadores”, uma Odisseia de épicas viagens de descobertas, de périplos mitológicos, de percursos iniciáticos e primordiais. Na Arrábida, entre o espólio funerário dos dois “personagens” da Roça do Casal do Meio, foram exumados alguns itens análogos aos figurados nas estelas do Sudoeste – duas pinças e um pente.
Ainda no domínio do simbólico mágico-religioso, assiste-se, na Idade do Bronze, à gradual substituição de uma ritualidade rural de carácter feminino, figurada na “deusa-mãe” (a natureza, a terra, o barro e a fecundidade), por uma iconografia manifestamente masculina, patente na arte rupestre e nas estelas do Sudoeste (a guerra, o guerreiro, o metal, as armas e as primeiras figurações do poder). A olaria, enquanto actividade tradicional do mundo das mulheres, perde importância para a metalurgia, enquanto especialidade masculina. Os restritos mistérios dos elementos ganham novos “alquimistas”, transformadores e produtores de novas matérias. A “sagrada fertilidade” do barro e das oleiras é “brunida” pelo profano metal dos metalúrgicos e guerreiros. As sociedades de tendência matriarcal, mais naturalistas e igualitárias, são agora “maculadas” por um competitivo espírito guerreiro e pelas novas hierarquias e emergentes elites.»