Feliz de quem tiver uma PEDRA em SAGRES

Palavras-chave | Keywords

"Boca do Rio" "Cabranosa" "Cerro do Camacho" "Concheiro do Castelejo" "Ermida da Guadalupe" "Farol de São Vicente" "Fauna e Flora" "Fortaleza de Sagres" "Forte de Almádena" "Forte de Beliche" "Gentes & Paisagens" "Geologia e Paleontologia" "História do Mês" "Martinhal" "Menir da Lomba da Góia" "Menir de Arneiros" "Menir de Aspradantas" "Menir de Bem Parece" "Menires de Milrei" "Menires de Santo António" "Menires de Vila do Bispo" "Menires do Monte dos Amantes" "Menires do Padrão" "Paisagens de Vila do Bispo" "Pedra Escorregadia" "Tales from the Past" "Vale de Boi" "Vale de Gato de Cima" 3D Abrigo Antiguidade Clássica Apicultura ArqueoAstronomia Arqueologia Experimental Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Arqueologia Subaquática Arquitectura arte Arte Rupestre Artefactos Baleeira Bibliografia biodiversidade Budens Calcolítico Carta Arqueológica de Vila do Bispo Cartografia Cetárias Cista CIVB-Centro de Interpretação de Vila do Bispo Complexo industrial Concheiro Conservação e Restauro Descobrimentos Divulgação Educação Patrimonial EPAC Escolas & Paisagens de Vila do Bispo Espeleo-Arqueologia Estacio da Veiga Estela-menir Etnografia Exposição Farol Figueira Filme Forte Grutas Homem de Neandertal Idade Contemporânea Idade do Bronze Idade do Ferro Idade Média Idade Moderna Iluminados Passeios Nocturnos Ingrina Islâmico Landscape marisqueio Medieval-Cristão Megalitismo menires Mesolítico Mirense mitos & lendas Moçarabe Moinhos Museologia Navegação Necrópole Neo-Calcolítico Neolítico Neolítico Antigo Paleolítico Património Edificado Património natural Património partilhado Pedralva Pesca Povoado Pré-história Proto-história Raposeira Recinto Megalítico/Cromeleque RMA Romano Roteiro Sagrado Sagres Salema São Vicente Seascape Toponímia Vila do Bispo Villa Romana
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

artigo de opinião 'O outro Algarve'

José Mendes
Professor Catedrático da Universidade do Minho


O outro Algarve


A estrada que leva ao Farol de Sagres apresenta, ao fim de cada tarde, um invulgar movimento. Após um soalheiro dia de verão, é ver a romaria em direção à falésia que marca o fim do território europeu. São novos, velhos, adultos e crianças, grande parte estrangeiros, com um agasalho de reforço que indicia que sabem bem ao que vão. Naquele vento que dá ao lugar uma atmosfera mítica, eis que o sol inicia o seu mergulho diário, afundando-se no oceano para lá do horizonte, oferecendo aos entusiastas um inigualável pôr do sol. A multidão aguarda em silêncio, extasiada, e quando por fim a enorme bola de fogo se extingue e a luz subitamente baixa, agradece à natureza com uma simbólica salva de palmas.
Este episódio, que tive o privilégio de viver no final de semana, é bem o exemplo do potencial que "o outro Algarve" tem para para ser conhecido e rentabilizado. Nada contra o sol e a praia, que aliás é de excelência na região, mas vale a pena desfocar a atenção habitual sobre a fruta madura e olhar mais alto na copa da árvore do turismo. Foi isso que fez o município de Vila do Bispo, onde se situa Sagres. Olhou para os seus ativos com olhos de ver e vem construindo uma estratégia de afirmação alternativa, que complementa na perfeição as delícias que todos apreciamos no Algarve. Com a vantagem de combater a sazonalidade.
Para quem, compreensivamente, se espanta com a famosa onda gigante da Nazaré, é ver o espetáculo do mar a bater na rocha dura da falésia de Sagres e a elevar-se bem lá acima dos cinquenta metros, num invernal rugido da natureza digno de se apreciar. Ou, então, apetrechar-se de uns binóculos e do equipamento fotográfico, seja ele o mero iphone ou a câmara de objetiva ultralonga, e apresentar-se nos primeiros dias de outubro para participar num evento de birdwatching que atrai turistas de natureza de tantos países, ansiosos por observar os pelotões de pássaros que, em migração, retemperam energias nas cercanias de Sagres. E que dizer da refrescante atmosfera de liberdade que a comunidade do surf e do bodyboard empresta ao concelho e às praias? Os principais átrios de areia, que dão entrada ao magnífico mar, são sede de escolas que colocam miúdos e graúdos sobre pranchas, e estas sobre as ondas, numa dança que é imagem de marca desta ponta de Portugal. Os mais introspetivos podem sempre descer a falésia e caminhar ao longo da costa, pois as extensas praias quase desertas ali estão para ser usufruídas. Por fim, a gastronomia, que por estes dias eleva Vila do Bispo a capital dos percebes.
Este outro Algarve merece ser descoberto. Pode não ser para as massas, mas é certamente um magnífico diamante por lapidar. Vila do Bispo sabe disso e foi, justamente, considerado o Município do Ano Portugal 2015. Uma lição de como ser grande, sendo pequeno.