Feliz de quem tiver uma PEDRA em SAGRES

Palavras-chave | Keywords

"Boca do Rio" "Cabranosa" "Cerro do Camacho" "Concheiro do Castelejo" "Ermida da Guadalupe" "Farol de São Vicente" "Fauna e Flora" "Fortaleza de Sagres" "Forte de Almádena" "Forte de Beliche" "Gentes & Paisagens" "Geologia e Paleontologia" "História do Mês" "Martinhal" "Menir da Lomba da Góia" "Menir de Arneiros" "Menir de Aspradantas" "Menir de Bem Parece" "Menires de Milrei" "Menires de Santo António" "Menires de Vila do Bispo" "Menires do Monte dos Amantes" "Menires do Padrão" "Paisagens de Vila do Bispo" "Pedra Escorregadia" "Tales from the Past" "Vale de Boi" "Vale de Gato de Cima" 3D Abrigo Antiguidade Clássica Apicultura ArqueoAstronomia Arqueologia Experimental Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Arqueologia Subaquática Arquitectura arte Arte Rupestre Artefactos Baleeira Bibliografia biodiversidade Budens Calcolítico Carta Arqueológica de Vila do Bispo Cartografia Cetárias Cista CIVB-Centro de Interpretação de Vila do Bispo Complexo industrial Concheiro Conservação e Restauro Descobrimentos Divulgação Educação Patrimonial EPAC Escolas & Paisagens de Vila do Bispo Espeleo-Arqueologia Estacio da Veiga Estela-menir Etnografia Exposição Farol Figueira Filme Forte Grutas Homem de Neandertal Idade Contemporânea Idade do Bronze Idade do Ferro Idade Média Idade Moderna Iluminados Passeios Nocturnos Ingrina Islâmico Landscape marisqueio Medieval-Cristão Megalitismo menires Mesolítico Mirense mitos & lendas Moçarabe Moinhos Museologia Navegação Necrópole Neo-Calcolítico Neolítico Neolítico Antigo Paleolítico Património Edificado Património natural Património partilhado Pedralva Pesca Povoado Pré-história Proto-história Raposeira Recinto Megalítico/Cromeleque RMA Romano Roteiro Sagrado Sagres Salema São Vicente Seascape Toponímia Vila do Bispo Villa Romana
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Menir de Bem Parece | Raposeira


Localizado num pequeno relevo com 127 m de altura, a 7 km NNE de Vila do Bispo, à direita do caminho que sai da EN 268 ao km 20.3 (junto ao vértice geodésico "Monteiros") e que, dirigindo-se para nascente, passa por um monte abandonado e conduz à Ribeira da Sinceira. O menir localiza-se cerca de 250 m a nascente do referido monte, numa área de xistos e grauvaques do Carbónico. 
Trata-se de um monólito de calcário de cor branca, de forma subcilíndrica, medindo 1.60 m de comprimento. Não sendo uma área de calcários, a implantação deste monólito terá implicado um considerável empreendimento colectivo com vista ao seu transporte a partir do contexto geológico de origem.
Na área envolvente ao menir, foram por nós detectados diversos indícios de ocupação, com alguma densidade e significado, que remetem para cronologias do Mesolítico e Neolítico Antigo, designadamente indústria lítica sobre sílex (lascas e dois micrólitos lamelares), um fragmento de mó manual em arenito e um movente de mó em grauvaque, com sinais de ter sido usado como percutor e bigorna.

A análise toponímica, com base na cartografia militar da área envolvente da Aldeia da Pedralva, permite identificar um interessante conjunto de topónimos altamente sugestivos de presença pré-histórica megalítica:

  • O próprio topónimo “Pedralva” aponta claramente para “pedra alva”, ou seja, “pedra branca” – menir.
  • A pouco mais de 200 metros a SE da Aldeia da Pedralva, surge outro topónimo megalítico – o Cerro das Pedras.
  • A cerca de 1 km a sul da Aldeia da Pedralva, outro topónimo megalítico – o Monte Branco ou da Pedra Branca –, desta feita comprovado pela ocorrência de fragmentos de um ou mais menires, identificados em 1977 por Eduardo Prescott Vicente.

A recorrência toponímica associável a "pedras brancas" prende-se, seguramente, com o facto de por ali não existirem calcários. O calcário branco dos menires, em terras escuras de xisto e grauvaque, marcaria as paisagens de forma muito visual.
Porém, o potencial toponímico para ocorrências megalíticas na área envolvente à Aldeia da Pedralva não tem, na actualidade, uma justa correspondência. Além do menir de Bem Parece e dos referidos fragmentos de menir do Monte Branco, apenas se conhece mais 1 monólito pré-histórico na área – Atalaia 2 –, escavado em 1977 por Eduardo Prescott Vicente. Esta incoerência, entre a toponímia e a actualidade da geografia da investigação, poderá ser explicada pela utilização dos ausentes monólitos no próprio conjunto edificado da Aldeia da Pedralva, tanto como aparelho pétreo, como cal, após a sua redução. 

Relocalização: Ricardo Soares e João Velhinho | 24.05.2014 

Bibliografia:
GOMES, M. V.; SILVA, C. T. da (1987) – Levantamento Arqueológico do Algarve. Concelho de Vila do Bispo. Vila do Bispo: Delegação Regional do Sul, Secretaria de Estado da Cultura, p. 33