Feliz de quem tiver uma PEDRA em SAGRES

Palavras-chave | Keywords

"Boca do Rio" "Cabranosa" "Cerro do Camacho" "Concheiro do Castelejo" "Ermida da Guadalupe" "Farol de São Vicente" "Fauna e Flora" "Fortaleza de Sagres" "Forte de Almádena" "Forte de Beliche" "Gentes & Paisagens" "Geologia e Paleontologia" "História do Mês" "Martinhal" "Menir da Lomba da Góia" "Menir de Arneiros" "Menir de Aspradantas" "Menir de Bem Parece" "Menires de Milrei" "Menires de Santo António" "Menires de Vila do Bispo" "Menires do Monte dos Amantes" "Menires do Padrão" "Paisagens de Vila do Bispo" "Pedra Escorregadia" "Tales from the Past" "Vale de Boi" "Vale de Gato de Cima" 3D Abrigo Antiguidade Clássica Apicultura ArqueoAstronomia Arqueologia Experimental Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Arqueologia Subaquática Arquitectura arte Arte Rupestre Artefactos Baleeira Bibliografia biodiversidade Budens Calcolítico Carta Arqueológica de Vila do Bispo Cartografia Cetárias Cista CIVB-Centro de Interpretação de Vila do Bispo Complexo industrial Concheiro Conservação e Restauro Descobrimentos Divulgação Educação Patrimonial EPAC Escolas & Paisagens de Vila do Bispo Espeleo-Arqueologia Estacio da Veiga Estela-menir Etnografia Exposição Farol Figueira Filme Forte Grutas Homem de Neandertal Idade Contemporânea Idade do Bronze Idade do Ferro Idade Média Idade Moderna Iluminados Passeios Nocturnos Ingrina Islâmico Landscape marisqueio Medieval-Cristão Megalitismo menires Mesolítico Mirense mitos & lendas Moçarabe Moinhos Museologia Navegação Necrópole Neo-Calcolítico Neolítico Neolítico Antigo Paleolítico Património Edificado Património natural Património partilhado Pedralva Pesca Povoado Pré-história Proto-história Raposeira Recinto Megalítico/Cromeleque RMA Romano Roteiro Sagrado Sagres Salema São Vicente Seascape Toponímia Vila do Bispo Villa Romana
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Fortaleza de Sagres





“O mar sem fim é português”
Fernando Pessoa, Mensagem

A Fortaleza de Sagres, também referida como Castelo de Sagres ou Forte de Sagres, apresenta-se como um Monumento Nacional localizado em posição dominante coroando a Ponta de Sagres, no sudoeste do Algarve, em Portugal.
Sagres constituiu, ao longo da história, uma privilegiada região de cruzamento de rotas entre o Mediterrâneo e o Oceano Atlântico, um porto de pescadores e de comerciantes de várias nações, mas também um território fortemente assolado por corsários.
A imponente fortificação de Sagres impõe-se como o prolongamento humano do rochedo natural e foi durante séculos a principal praça de guerra de um importante sistema geo-estratégico de defesa marítima. A política da Expansão portuguesa, nos séculos XV e XVI, levou à fundação da Vila do Infante.
A Fortaleza é erigida no primeiro quartel do século XV, ficando indissociavelmente ligada aos Descobrimentos e à figura do seu promotor, o Infante D. Henrique. A sua importância maior registou-se durante essa centúria e a seguinte, pois este espaço foi, segundo a tradição histórica,  a base de operações marítimas da expansão náutica portuguesa.
Um período de decadência ocorreu após a perda da Independência, quando em 1587 os corsários ingleses, comandados por Sir. Francis Drake, a arrasaram e pilharam. Nessa altura, as muralhas eram compostas por duas cortinas defensivas e tinham uma configuração em “zigue-zague”. 
Intramuros, encontra-se ainda a Ermida de Nossa Senhora da Graça, um pequeno templo fundado por D. Henrique em 1459, entretanto remodelado em 1570. Adossado à segunda muralha situava-se a casa do governador militar, para além das respectivas casernas; numa das extremidades elevava-se uma torre de defesa. As primitivas defesas quatrocentistas foram reforçadas por dois baluartes construídos no reinado de D. Sebastião, mais tarde acrescentados por um revelim central, vindo reforçar a defesa da porta principal da fortaleza.
No entanto, a Fortaleza de Sagres passa por uma profunda e definitiva metamorfose nos finais do século XVIII (1793), empreendimento levado a cabo pelo engenheiro-militar José de Sande de Vasconcelos e que elimina todos os vestígios materiais das construções anteriores. A nova configuração recorre a dois baluartes nos flancos, unificados por um  protector revelim central.
Ao longo dos tempos, os diversos edifícios no interior da fortificação sofreram diversas obras de readaptação. Nos restauros pretensamente históricos da década de 50 do século XX foi descoberta uma “rosa dos ventos”, estrutura que poderá remontar ao século XV. Com cerca 43 metros de diâmetro, desenhada no solo com alinhamentos de pedra, poderá ter servido de gnomon – relógio de Sol.
Sagres e a sua fortaleza foram alvo de nova intervenção nos anos 80, apenas finalizada em 1997 – envolvida por forte controvérsia, tratou-se de uma empreitada que procurou valorizar a fortaleza e as suas estruturas arquitectónicas. Neste âmbito foram criados um centro de exposições, uma sala multimédia, uma loja e um espaço de restauração. Seja como for, apesar das polémicas alterações “neo-modernas”, Sagres continua a assinalar a modernidade de Portugal e recordará sempre o início da abertura dos mares e da descoberta de novos mundos.
Sagres revela-se hoje como um singular palco de memória onde a natureza, a história, o sagrado e o homem se conjugam de forma exemplar e simbiótica.
Da sua alta falésia escarpada, constantemente batida pelo mar e pelo vento, o visitante usufrui de uma deslumbrante panorâmica sobre a costa, com destaque para as enseadas de Sagres, para o cabo de São Vicente (extremo sudoeste do continente europeu) e a para a imensidão do Oceano Atlântico. A própria fortificação e as suas imediações, integradas no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, oferecem a possibilidade de um olhar próximo ao património natural da costa, especialmente no que se refere à sua flora, abrigando algumas das espécies endémica mais representativas da região como, por exemplo, o porro-bravo (Allium ampeloprasum), a erva-divina (Armeria welwitschii), o pampilho-marítimo (Asteriscus maritimus), o perrexil-do-mar (Crithmum maritimum), o zimbreiro (Juniperus turbinata), a Malva sylvestris, o narciso-das-areias (Pancratium maritimum), e o esparto ou espargo (Spartium junceum).
Também, nos finais do Verão, a partir de Setembro, a região de Sagres (a par do Estreito de Gibraltar) transforma-se numa verdadeira "ponte" de migração para diversas espécies de aves, entre o continente europeu e África, proporcionando aos ornitólogos e a qualquer interessado um privilegiado cenário de observação. 


Sagres segundo Vitor Fragoso
(artista local)